Jornalismo Humano – As melhores reportagens de periodismohumano.com

Opinão

Por José Palazón, Presidente da ONG Pró direitos da Infância (PRODEIN). Tradução: Victor Farinelli

Talvez tenhamos em Melilla mais de 10 mil mulheres que cruzam a fronteira diariamente para trabalhar no serviço doméstico, são trabalhadoras das fronteiras, que dispõem de licença especial para exercer esse trabalho, devendo abandonar a cidade ao anoitecer. Seu estatus, por outro lado, é melhor que das outras 10 mil que também cruzam a fronteira todos os dias, para passar contrabando ou exercer outras atividades sem nenhuma regulação. Negócio puro!! São as escravas do mundo moderno!! O particular da nossa Khadija é que ela reside legalmente na Espanha, que duas de suas filhas têm nacionalidade marroquina enquanto os dois menores possuem nacionalidade espanhola e que há dois meses ela passa os dias e as noites em frente ao prédio da Prefeitura de Melilla, sem se calar, sem se submeter a ninguém, e sem medo.

Khadija sempre foi o que se esperava dela: limpa, pontual, calada, submissa, obediente, agradecida e discreta. Consciente de que qualquer outra coisa seria pior. Viu crescer suas duas meninas, nascidas em Melilla e obrigatoriamente indocumentadas, sem que pudessem ir ao colégio porque não tinham visto, algo “normal” nessa cidade. Sofreu maus tratos dos seus dois maridos durante anos, sem denunciá-los, porque ao menos, de vez em quando, traziam algum de dinheiro para sustento da família. Que outra coisa poderia fazer com quatro filhos e sua mãe doente de Parkinson, a quem também precisa atender?

Leer más